Palestrantes

Renato Nunes-Bittencourt – Doutor em Filosofia pela UFRJ. Professor do Curso de Especialização em Pesquisa de Mercado e Opinião da UERJ. Professor da Faculdade CCAA, da Faculdade Duque de Caxias-UNIESP e da Casa do Saber.

Patrick Pessoa – Professor Adjunto do Departamento de Filosofia e membro permanente do Programa de Pós-Graduação em Filosofia da UFF. É co-editor da Revista VISO: Cadernos de Estética Aplicada (www.revistaviso.com.br) e colaborador frequente da Revista Questão de Crítica. Autor do livro A segunda vida de Brás Cubas: A filosofia da arte de Machado de Assis (editora Rocco, 2008), finalista do Prêmio Jabuti de Teoria e Crítica Literária. Em parceria com Alexandre Costa, publicou os livros A história da Filosofia em 40 filmes (NAU Editora, 2013) e uma tradução adaptada da Oréstia de Ésquilo (Editora Giostri, 2013).

Muniz Sodré – Professor titular emérito da Universidade Federal do Rio de Janeiro e escritor. Foi presidente da Fundação Biblioteca Nacional de 2005 a 2010. É autor de mais de trinta livros publicados sobre comunicação e cultura, além de livros de ficção. Professor visitante de várias universidades estrangeiras.

Maria Cristina Franco Ferraz – Professora Titular de Teoria da Comunicação da ECO/UFRJ, doutora em Filosofia (Universidade de Paris I – Sorbonne), com três pós-doutorados em Berlim (Instituto Max Planck de História da Ciência e Centro de Pesquisa em Literatura e Cultura). Livros publicados: Nietzsche, o bufão dos deuses (Rio: Relume Dumará, 1994/Ediouro: 2009; Paris: Harmattan, 1998), Platão: as artimanhas do fingimento (Rio: Relume Dumará, 1999/Ediouro: 2009; Lisboa: Nova Vega, 2010), Nove variações sobre temas nietzschianos (Rio: Relume Dumará, 2002),  Homo deletabilis – corpo, percepção, esquecimento: do século XIX ao XXI  (Rio: Garamond/FAPERJ, 2010). Livro organizado (com Lia Baron): Potências e práticas do acaso: o acaso na filosofia, na cultura e nas artes ocidentais (Rio de Janeiro: Garamond/FAPERJ: 2012).

Alexandre Marques Cabral – Alexandre Marques Cabral possui graduação em filosofia e teologia, realizou mestrado em filosofia na UFRJ (IFCS) e doutorado em filosofia na UERJ, além de cursar, atualmente, doutorado em teologia na PUC-RJ. É professor adjunto do departamento de filosofia da UERJ e professor de filosofia do Colégio Pedro II. É autor de A mãe das verdades: a originalidade e originariedade do conceito de verdade em Heidegger (Maanain/Adinvest), Heidegger e a destruição da ética (Editora UFRJ/Mauad), Jonas Rezende: o Poeta da Fé (Mauad), Ontologia da violência: o enigma da cruldade (Mauad) e A redenção de Deus: sobre o Diabo e a Inocência (Via Verita), além de artigos publicados em revistas especializadas.

Ana Lúcia Oliveira – Doutora em Literatura Comparada (UERJ, 1999), é professora adjunta de Literatura Brasileira na UERJ, pesquisadora no programa PROCIÊNCIA da UERJ/FAPERJ e  bolsista de Produtividade em Pesquisa do CNPq. Traduziu e/ou coordenou a tradução de Caosmose, de F. Guattari; Ensaios sofísticos e O efeito sofístico, de B. Cassin; Mil platôs, de Deleuze e Guattari. É autora de Por quem os signos dobram: uma abordagem das letras jesuíticas (EdUERJ, 2003) e organizou as obras Linhas de fuga: trânsitos ficcionais (7Letras, 2004) e Antônio Vieira: 400 anos (EdUERJ, 2011).

Victor Hugo AdlerProfessor Associado de Teoria da Literatura da UERJ, onde atua na Graduação e na Pós. Pesquisador CNPQ e do Programa PROCIÊNCIA UERJ/FAPERJ. Coordenador do Programa LerUERJ, de pesquisa e extensão. Livros individuais: A musa carrancuda: teatro e poder no Estado Novo; Nelson Rodrigues e a obs-cena contemporânea, e Nelson Rodrigues, o freudismo e o carnaval nos teatros modernos. Publica trabalhos acadêmicos sobre literatura, teatro e cultura no Brasil. Atualmente, realiza pesquisas sobre os impactos da modernização excludente na literatura e na cultura do país.

Eduardo Guerreiro Brito Losso – Professor Adjunto de Teoria Literária do departamento de  Ciência da Literatura da UFRJ desde 2014, tendo ocupado o mesmo cargo na UFRuralRJ de 2009 a 2014. Seus temas de pesquisa são: a elaboração de modos de viver na poesia e da filosofia, a secularização da mística na literatura moderna e a questão do valor estético no mercado da música pop. Trabalha a partir da Teoria Crítica a crítica da indústria cultural e relações entre estética e religião. Fez parte da organização dos livros “Diferencia minoritaria en Latinoamérica”, pela Georg Olms, 2008, e “O carnaval carioca de Mario de Andrade”, de 2011.

Anúncios